xícara - cup - taza - Кубак - vaso - coppa - kopp - الكأس - tasse - beker - fincan - גלעזל - κύπελλο - pehar - чаша - kupillinen - cawan - чашка - kop - koppie - kikombe - գավաթ - chávena - filxhan - kopa - কাপ - 컵 - kup - kuppi - カップ- cốc - inkomishi


quinta-feira, 8 de fevereiro de 2018

Xícara brasileira


Xícara de chá da marca Porcelanarte, da década de 1960. Porcelana branca. Pires e xícara com ramos de rosas cor-de-rosa e amarelas. Base, asa e frisos dourados. Acompanha prato de bolo formando um belo trio. 



quarta-feira, 7 de fevereiro de 2018

Xícara brasileira


Xícara de café sem marca trazida pelos meus filhos Tim e Adriana de um fim de semana passado em Monte Verde, MG, no ano passado.  Porcelana branca com medalhão em tons de verde com o nome da cidade em preto e dois esquilinhos. Interessante é que o pires é substituído por um tapetinho feito em tear.

Não se preenche um coração com amores aos poucos. 
Ou é um por completo, ou nada. 
Coração não é xícara, não vive meio cheio, ou meio vazio.

                                                                                             Clarice Lispector

Tatoos


terça-feira, 6 de fevereiro de 2018

Xícaras artesanais


Aqui as xícaras pintadas por Lenita Boaventura Vidal, agora como um conjunto de chá e café e prato de bolo.

Artesanato brasileiro


Xícara de café. Porcelana branca pintada à mão pela artesã Lenita Boaventura Vidal de Salto, SP.  A xícara: tem larga faixa rosa  no exterior e mais estreita no interior, decalques com ramos de rosas em toda a volta. Pires: faixa larga rosa. Guirlanda de mini-rosas no pires e interior da xícara.  Frisos, arabescos, asa e 3 pés em dourado. Acompanha um prato de bolo.


Almofada


Belo trabalho de aplicação de tecidos.

segunda-feira, 5 de fevereiro de 2018

Ariano Suassuna, o gênio que tomava café "por falta de personalidade"

Ariano Suassuna era tão genial, mas tão genial que até para contar que não gostava de café o escritor paraibano tinha estilo.
O dramaturgo disse que até os 57 anos de idade, bebia café todo dia, mas por absoluta falta de personalidade. Tomava só para ficar bem com os amigos, mas nunca levou jeito.
Com o café quente, Ariano Suassuna se queimava, café frio ele achava azedo - até que um dia, perto de completar 60 anos, Ariano Suassuna descobriu o pingado, o legítimo café com leite.
Foi amor à primeira vista!
Agora que o Brasil lamenta a morte de Ariano Suassuna, vamos erguer um brinde - uma xícara de café - tocando num copo americano, pela metade de leite e a outra metade de café, como Ariano gostava. Um brinde ao pingado!  Um brinde ao gênio!
Texto retirado da Internet (autor desconhecido).